criatividade
Criatividade
28 de fevereiro de 2015
blog_desabafo_do_designer
Desabafo de um Designer
10 de julho de 2017
Exibir tudo

Aprenda Gestalt com James Brown

gestalt_james
 

por: Luli Radfahrer

GESTALT é muito legal, pena que tão mal ensinada por aí. Muitos a aprendem na faculdade, normalmente na forma de diagraminhas sem vergonha como estes, aí não é à toa que não se lembre mais tarde, quando precisa usar para fazer um layout. É aquela velha história: teoria é bom, e não tem tutorial na Internet que se sustente sem uma boa base. E quando bem aplicada, a teoria gera resultados impressionantes.

Veja este cartaz: Os conceitos da Gestalt se aplicam maravilhosamente aqui:



EMERGÊNCIA:

O rosto aparece por inteiro, depois identificamos suas partes. Ao contrário de um texto escrito, não se vê pedaços de uma imagem que, aos poucos, compõem um todo.


REIFICAÇÃO:

O rosto é construído pelos traços que se formam nos espaços entre as linhas e letras (repare a franja). Eis um excelente exemplo da importância dos espaços em branco (vazios) no desenho de uma página. Eles dão suporte para os outros elementos.


PERCEPÇÃO MULTI-ESTÁVEL:

Em uma composição bem-feita, a visão não "pára" em um lugar. Perceba como você olha para o rosto, o nome, o fundo. ISSO é interatividade, muito mais interessante que um pop-up ou qualquer outra chatice publicitária.


INVARIÂNCIA:

As letras são reconhecidas e podem ser lidas, pouco importa seu tamanho, distorção ou escala.


FECHAMENTO:

Tendemos a "completar" a figura, ligando as áreas similares para fechar espaços próximos. É fácil ver as bochechas, a língua (escrita "soul", genial) etc. É o mesmo princípio que nos permite compreender formas feitas de linhas pontilhadas.


SIMILARIDADE:

Agrupamos elementos parecidos, instintivamente. Perceba que, por mais que você tente evitar, o rosto se destaca do fundo, mesmo sendo da mesma cor.


PROXIMIDADE:

Elementos próximos são considerados partes de um mesmo grupo.


SIMETRIA:

Imagens simétricas são vistas como parte de um mesmo grupo, pouco importa sua distância. É o que forma o fundo - e o separa do rosto.


CONTINUIDADE:

Compreendemos qualquer padrão como contínuo, mesmo que ele se interrompa. É o que nos faz ver a "pele" do sr. Brown como algo contínuo, mesmo com todos os "buracos" das letras.


DESTINO COMUM:

Elementos em uma mesma direção são vistos como se estivessem em movimento e formam uma unidade, como se percebe na "explosão" que acontece no fundo do cartaz.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *